Veja bons conselhos dos campeoes para pedalar melhor

Home » Fitness » Veja bons conselhos dos campeoes para pedalar melhor

Ivan Basso, italiano, vencedor do Giro d´Italia de 2006: “Coma cedo, vá dormir cedo.

Gosta de pedalar? Nada melhor do que recber conselhos de campeoes, nao é mesmo?Em depoimentos para a revista norte-americana Bicycling, ciclistas compartilharam os melhores conselhos que receberam durante a carreira. Ivan Basso, italiano, vencedor do Giro d´Italia de 2006: “Coma cedo, vá dormir cedo. Não coma besteiras.” width=300Jens Voigt, alemão, que vestiu a camisa amarela no Tour de France de 2001 e 2005, e em 2006 venceu uma

etapa: “Eddy Merckx me ensinou: ‘Ataque mesmo que seja dolorido. A dor passa e você vai longe’.” Andy Hampsten, norte-americano, vencedor do Giro d´Italia de 1988: “Segure firme seu guidão. Acidentes tendem a acontecer quando os ciclistas estão relaxados. Use seu dedão como um gancho para ter maior controle durante a corrida.” Bjarne Riis, dinamarquês, vencedor do Tour de France de 1996. “Sofra. Sacrifique-se.” Mari Holden, norte-americana, campeã mundial de contra-relógio em 2000: “O melhor conselho que recebi foi dos meus pais. Eles me pediam para usar capacete quando pedalava. E eu, no auge da adolescência, me negava a usar. Mas os anos foram passando e passei a considerar o item obrigatório. Já sofri acidentes feios na minha carreira e agardeço por estar usando o capacete.” Frankie Andreu, norte-americano, completou o Tour de France em nove ocasiões: “Tire uma soneca todos os dias. É a parte mais importante do treinamento. Eu sempre fiz isso e foi o que fez diferença no meu desempenho.” Abraham Olano, basco, campeão mundial de estrada em 1995, campeão mundial de contra-relógio em 1998 e vencedor da Vuelta a España de 1998: “Se você está se sentindo confortável em cima da bicicleta, é porque não está se esforçando. Para conseguir algo, é preciso sofrer.” Chris Baldwin, campeão norte-americano de contra-relógio em 2005: “Quanto eu tinha 13 anos, meu chefe em uma loja de bicicletas contou que quando competia seus membros superiores ficavam tão relaxados que sentia seu lábio inferior vibrar no mesmo ritmo da pista. A partir deste dia, quando estou em uma prova de contra-relógio ou em uma prova de montanha, relaxo os músculos da minha face, o que me ajuda a seguir o percurso com maior naturalidade.”