Como enfrentar a doença celíaca

Home » Saúde » Como enfrentar a doença celíaca

O problema está numa fração do glúten chamada gliadina, encontrada no trigo, na cevada, no centeio e na aveia.

width=161SE VOCÊ sofre da doença celíaca , o corpo não tolera certo componente de muitos alimentos. O problema está numa fração do glúten chamada gliadina, encontrada no trigo, na cevada, no centeio e na aveia. O glúten é inofensivo para a maioria das pessoas, mas pode destruir a mucosa do intestino delgado de quem tem a doença celíaca, reduzindo sua capacidade de absorção de nutrientes. Os sintomas da doença celíaca podem incluir dor estomacal, flatulência (acúmulo de gases no tubo digestivo), diarréia e perda de peso. É claro que outras doenças apresentam os mesmos sintomas, de modo que pode ser difícil diagnosticar a doença celíaca. “Durante anos me disseram que eu sofria de ‘síndrome do

intestino irritado’”, diz Judy, que é celíaca. A doença celíaca em geral se manifesta na infância, mas alguns pacientes só apresentam os sintomas na meia-idade. Mas os médicos dizem que, em pelo menos alguns desses casos, talvez a doença sempre tenha existido, só que em estado latente. De qualquer modo, se não for tratada, a doença celíaca pode ser devastadora. Geralmente, as crianças com o distúrbio são pequenas e magras, com abdômen inchado e músculos atrofiados. Visto que a doença dificulta a absorção de vitaminas, podem surgir outras doenças, como anemia, raquitismo e escorbuto. Em casos mais graves pode-se apresentar malformação óssea ou osteoporose. Em casos raros, a doença celíaca pode até ser fatal, em especial em adultos com um quadro prolongado e grave. Mas com o tratamento correto, muitas pessoas que têm a doença celíaca convivem com ela e até melhoram sua condição. O que se pode fazer? O melhor tratamento para a doença celíaca é uma dieta sem glúten, isto é, sem alimentos que contenham trigo, cevada, centeio e aveia. Seguir esse regime é um desafio. Um celíaco conta: “De início, quando me disseram que não poderia mais comer trigo, cevada, centeio ou aveia, pensei: ‘Ora, isso é fácil. É só não comer pão nem massas.’ Mas quando percebi quantos produtos têm esses cereais na sua composição — em especial o trigo —, fiquei chocado!” Os celíacos têm de ler com atenção os rótulos dos alimentos. Embora precisem evitar trigo, cevada, centeio e aveia, podem comer trigo-sarraceno, milho, arroz, soja, painço e produtos derivados da batata. Podem usar também misturas farináceas sem glúten. Pode ser desanimador constatar que as prateleiras do supermercado estão na maior parte abarrotadas de ‘alimentos proibidos’, é verdade. Mas não se desespere. Concentre-se nos alimentos que você pode comer e não nos que não pode. Com o tempo, comprar comida ficará menos frustrante. Pode parecer que uma dieta sem glúten atrapalhará a sua vida social. Mas não se isole só porque tem a doença celíaca. Explique aos seus amigos o que é essa doença e diga-lhes como podem ajudá-lo a seguir uma dieta sem glúten. Se outros souberem de suas necessidades, provavelmente terão prazer em atendê-las. Se alguém fizer comentários insensíveis, não fique magoado. Uma reação amigável incentivará a pessoa a ter mais empatia. Com o tempo, alguns pacientes com casos brandos da doença celíaca conseguem reintroduzir o glúten na dieta. Quer isso aconteça com você, quer não, mantenha uma atitude positiva. “Tenha em mente o lado bom da doença”, recomenda uma celíaca. Lado bom? Ela continua: “A doença celíaca não é contagiosa e o tratamento é simples e claro: uma dieta restrita. Quanto mais tempo segui-la, melhor se sentirá. E é muito provável que você consiga se sentir muito bem, mesmo sofrendo da doença celíaca.”